Sobre Faroeste Caboclo

Esse papo de que ‘Faroeste Caboclo’ é uma das maiores letras da música brasileira me deixa genuinamente transtornado. Não vou ficar chutando um cachorro que a muito foi morto e falar do quesito: instrumental (mas pode imaginar o júri falando ‘noooota…zero’ e o Dinho Ouro Preto, nervoso, levantando e balançando os braços sobre a cabeça). Falarei da narrativa mesmo. E de apenas um trecho, porque ninguém é palhaço de dissecar nove minutos de crítica política e social.

Ficou cansado de tentar achar resposta
E comprou uma passagem, foi direto a Salvador.
E lá chegando foi tomar um cafezinho
E encontrou um boiadeiro com quem foi falar
E o boiadeiro tinha uma passagem e ia perder a viagem
Mas João foi lhe salvar
Dizia ele: “Estou indo pra Brasília
Neste país lugar melhor não há
Tô precisando visitar a minha filha
Eu fico aqui e você vai no meu lugar

Tá lá o João de Santo Cristo, recém chegado em Salvador. Nem saiu da rodoviária: desceu do ônibus e foi tomar um café. Daí ele encontra esse boiadeiro com uma passagem pra Brasília, com um papo de que ele ia perder a viagem (mas pra tomar café [aposto que um frapê cheio de frescura] ele tem tempo). Daí ele fala que tem que visitar a filha dele. Não ‘entregar um remédio’ ou ‘levar uns documentos pra ela assinar’. Ele precisa visitar, passar um tempo, ver como a filha tá. Daí ele sugere, pra esse cara que ele recém conheceu na rodoviária de Salvador: vai lá, pega minha passagem, visita minha filha pra mim. Como assim, bicho? Não quero ser racista, mas o João de Santo Cristo passou pelo reformatório (e, no futuro próximo, vai virar um barão do tráfico, por deus!). Como o boiadeiro ia saber que ele não era um estuprador? Um  serial killer? E esse papo de que ‘ia perder a viagem’? Os dois tão no mesmo lugar, é só levantar a bundinha da poltrona do Starbucks e entrar no ônibus. E o João de Santo Cristo, aparentemente a pessoa mais influenciável do mundo, ignorou sua ambição de umas estrofes atrás (‘Ele queria sair para ver o mar’) e nem foi dar uma caminhada na praia, tomar um capeta enterrando o pé na areia. O final da letra ainda tenta nos enganar:

E João não conseguiu o que queria
Quando veio pra Brasília, com o diabo ter
Ele queria era falar pro presidente
Pra ajudar toda essa gente que só faz sofrer

Que caô é esse? João queria era ver qual era da filha desse boiadeiro mongolóide. A única coisa boa dessa situação toda é imaginar o boiadeiro zapeando os canais pra procrastinar o trabalho enquanto aquela manada de bois foge da fazenda (já tá claro que o cara é o pai mais negligente do mundo, não deve ser muito diferente com o gado dele) até ver aquela chacina acontecendo ao vivo na TV. Ele se curva, cerra os olhinhos e reconhece o sujeito estranho para o qual ele deu a passagem uns anos atrás. Ele sente uma pontada de culpa, um remorso inexplicável. Não é como se a passagem dele fosse a culpada por toda desgraça consequente, mas ainda assim ele sente necessidade de comparecer ao enterro do Santo Cristo e vai direto para rodoviária de Salvador. Lá chegando vai tomar um cafézinho e encontra você, recém chegado na cidade, mochila nas costas, finalmente conseguiu aquelas férias na agência. Ele tá ali sentado, tá quentinho, dá uma preguiça, Salvador é tão linda. Então ele fala: ‘tava agorinha indo pra Brasília, lugar melhor nesse país não há. Tô precisando ir num enterro, eu fico aqui e você vai no meu lugar’. Você olha pro boiadeiro, gentilmente se levanta e vai beber café em outro lugar.

Anúncios

25 Respostas para “Sobre Faroeste Caboclo

  1. João de Santo Cristo

    Crítica muito mal feita, cheia de pressupostos não presente no texto. Concordo que não é a melhor letra da música brasileira, mas seus argumentos são muito furados e errados. O fato de algumas coisas não terem sido explicadas não significa que não tem explicações.

    Sinto desdenho gratuito nessa crítica.

  2. Essa passagem do boiadero ai me deixava com muita raiva quando era menor, ficava inconformado do cara perder a chance de ver o mar.

  3. cara, tava tudo indo bem até ce por “starbucks”, ce reclama da lógica da música mas aí coloca um boiadeiro num starbucks.

  4. meu cu pra ti meu bem, não consegui nem ler metade da crítica, q de tão pedante quase vomitei.

  5. Que Bosta é esta

    Nossa… Que bosta de crítica é essa? Concordo com o Erick, não consegui ler nem metade desta merda toda. E olha que poderia ser uma crítica ao Renato Russo ou qualquer outro. Pra mim, isso é discurso de recalcado, de gente que não tem capacidade de criar nada, nem mesmo uma crítica que enriqueça a mentalidade alheia.

  6. Nunca li uma crítica tão estúpida. Parece redigida por um guri de 13 anos.

  7. Desculpa me meter, mas tem um erro ali em “Ele se curva, serra os olhinhos”. Esse cerrar é com c.

  8. hahahahahaha, muito bom!!!!!

  9. “Dizia ele: “Estou indo pra Brasília”” – né gente!? Nunca mais reclamo da umidade relativa do ar de Blumenau (nesse país lugar mais europeu não há)

  10. hahahahaha que engraçado o pessoal caindo em cima da crítica.

    olha, nunca pensei direito nisso, mas eu achava que a filha do boiadeiro morava em Salvador, e por isso é que ele não podia viajar. “eu fico aqui (em Salvador, pra visitar a minha filha) e você vai (pra Brasília) no meu lugar”. não é isso?

    • Realmente Bruno, tenho esse mesmo pensamento sobre este trecho, mas se ele não distorce essa parte a crítica seria mais podre do que já é!

  11. clap clap clap.
    existe uma cultura escrota de que não se pode falar do Renato Russo e toda a Legião Urbana a VERDADE sobre eles: TUDO UMA MERDA.
    Esses dias refleti sobre “é preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã”. Ok, muito bonito. Até você morrer de AIDS, né, Renatão.

  12. HAHAHA GENIAL! Não sei se tô rindo mais da crítica ou dos comentários. Eu nunca consegui ver na filosofia em toda aquela profundidade socio-política nas músicas do Legião mais que um bando de pelego de classe média com uns instrumentos que o papai comprou, muito tempo livre e muita aula mal dada de história e sociologia. Ficar quase dez minutos ouvindo uma sequencia insuportável de sol-ré-sol-ré já faz com que poucas pessoas cheguem ao fim da música, com uma letra dessas então… Tá de parabéns!

  13. VIDA ETERNA LEGIÃO URBANA!!! a MAIOR BANDA DE TODOS OD TEMPOS…

  14. Também sempre entendia do jeito que o Bruno acima falou. O boiadeiro não ia perder a viagem por estar atrasado, mas porque precisava visitar a filha em Salvador mesmo, aí deu a passagem pro João. Em Brasília, por sua vez, não tinha filha alguma.

  15. legiao urbana… ja o nome da banda se declara como um bando de inuteis… tocando algumas notas em seus instrumentos… e com textos sem sentido…. tudo que é ruim fica na mente… ainda mais quando se tem babacas… que nem compreendem porra nenhuma… mas com um pequeno poder de midia enfocam…. a verdade seja dita… eram 3 viadoes…. so nao quatro elementos pq um saiu da banda por ser heterossexual…. quando os integrantes souberam que renato russo andava dando a bunda por fora do trio… a legiao urbana acabou… o brasil ta cheio de inutilidades…

  16. Se fosse tão ruim , aposto que anos depois da composição não estaria ainda sendo comentada ……… esta letra não tem nada a ver com boiadeiro ou coisa do gênero , tem a ver com um cara que acabou se perdendo e tomando o caminho mais fácil , como acontece diariamente com muitas pessoas , isso é mais comum do que se imagina.( para mim esta letra deve refletir bem a situação que o compositor passava na época, perdido nas drogas talvez…). Não sou fã de Legião nem gosto muito, porém não acho ruim as composições da banda. Letras que fazem sentido são as piores . como as canções que são populares atualmente …….. são todas de fácil interpretação, que não trazem nenhuma reflexão sobre a letra…. O que falta na música atual são bandas POPULARES que cantem realmente com o coração ,com emoção , que sejam polêmicas,que entendam que são formadoras de opinião de massa . Você mesmo usou em um post como titulo: Meu mimimi pesa uma tonelada (Talvez tenha se inspirado nas letras do nação zumbi, não sei ..) uma banda atual que é sensacional é o Nação Zumbi, que possui letras s que não fazem o menor sentido ao pé da letra, porém tem mensagens fortíssimas se analisadas. A música popular atual é uma merda, saudades de bandas populares como Legião e outras da época, que apesar de comerciais, ainda eram bandas ótimas. Hoje em dia só se fala em sertanejo e etc no mainstream, e do lado mais underground umas bandinhas indies que não fazem nada de diferente.

  17. O PAPO É O SEGUINTE: A CRÍTICA NÃO TEM PÉ NEM CABEÇA, A LÓGICA PROPOSTA É UM LIXO, POBRE, UMA DECLARAÇÃO PURA DE FALTA DE CULTURA E DE AULAS DE PORTUGUÊS. LEGIÃO FOI E É AINDA HOJE UMAS DAS MAIORES BANDAS DO ROCK NACIONAL ISSO DITO POR PESSOAS QUE TEM VERDADEIRAS REALIZAÇÕES, TENHO PENA E NOJO DE QUEM DIMINUI A CONTRIBUIÇÃO DE RENATO RUSSO E LEGIÃO URBANA PRA IDENTIDADE NACIONAL, HIPOCRISIA É A VERDADEIRA CRITICA NA MUSICA CITADA E É JUSTAMENTE O MAIS PRESENTE NA CRITICA FEITA POR ESSE POBRE SER HUMANO E POR ESSES COMENTÁRIOS COM JUSTIFICATIVAS MERAMENTE ILUSTRATIVAS, DEIXO AQUI MEU _l_ A TODOS OS POBRES DE ESPIRITO Q SEGUEM ESSA POBRE LINHA DE RACIOCÍNIO EXPRESSA POR ESSE POBRE AUTOR.

  18. pra vcs que criticam fodam-se quero ver fzr melhor ou chegar aos pes do RENATO seu BOSTINHAS FILHOS DA PUTA

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s